O Céu e a Terra

Imprimir
PDF
“O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar”
(Mateus, 24:35)


Com o advento do espírito de verdade restabeleceu-se no mundo a palavra eterna de amor e paz.

Jesus, nos confins da Judéia, transubstanciou-se, apagando a própria luz para oferecer à humanidade o caminho de luz que leva à felicidade.

Perambulou em meio às dores do mundo, confortando e ofertando a todos as bem aventuranças.

Abriu sua boca, que emanava luz, e proferiu o incomparável sermão do amor:

- Bem aventurados os pobres de espírito...
- Bem aventurados os que choram...
- Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça...
- Bem aventurados os misericordiosos...
- Bem aventurados os limpos de coração...
- Bem aventurados os pacificadores...
- Bem aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça...
- Bem aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa...

O infinito amor de Jesus invadiu o mundo e permanece à nossa disposição, aguardando a nossa decisão de beber na sua fonte infinita.

Neste mês de abril, dedicado a essa maravilhosa obra da codificação kardequiana, reflete em sua simplicidade o tesouro de amor que o Cristo nos deixou.

Não coloquemos a candeia do amor embaixo da cama e sim no velador da nossa consciência, para que a humanidade carente de paz, possa beneficiar-se da sua infinita luz.

A vós, espíritas, confiou o Mestre divino a tarefa de divulgação do seu evangelho redivivo.

Diante de tal responsabilidade, arregaceis as mangas, coloqueis as mãos na charrua e inicieis a semeadura do amor.

O mundo carece de luz e urge a transformação do ser humano, para que o reino de Deus possa definitivamente ser implantado nos corações, aí as trevas se dissiparão com o reluzir das luzes; as dores, os bálsamos do amor, farão cessar; e o amor do Cristo reinará para a humanidade.




Ana Maria
(mensagem recebida por Paulo Guedes )