A Terapia do Amor

Imprimir
PDF
“Bem aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, falarem todo mal sobre vós, Exultai e alegrai-vos, porque é grande vosso galardão nos céus, porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós."
(Mateus, 5:11 e 12)


A exemplificação do amor é tarefa das mais árduas!

Todo aquele que busca o reino dos céus encontra na Terra os opositores do amor e do progresso.

A seara do Cristo exige muito esforço e suor no preparo da terra, a fim de que ela se encontre em condições de germinar as sementes do amor.

A Terra é uma grande enfermaria onde pululam mazelas de todos os tipos.

O grande médico das almas prescreve-nos no Seu receituário divino a terapia do amor.

Só ela é capaz de impedir a proliferação das infecções bacteriológicas do ódio.

Só ela impede a contaminação pela virose da vaidade.

Só ela extirpa os tumores do rancor.

Quando o homem compreender a dinâmica do amor e usá-lo como método profilático às mazelas da alma, encontrará a saúde e o equilíbrio espiritual.

Quando enfim compreender a lei do perdão, olhar profundamente nos olhos dos seus semelhantes, e enxergar a alma atormentada que clama por socorro, terá uma nova percepção da vida e não mais sentirá os sentimentos inferiores brotarem em seu coração.

A terapia do amor, prescrita pelo mestre há dois mil anos, continua sendo o grande medicamento para almas enfermiças que somos todos nós.

Todos nós, encarnados ou desencarnados, vivemos a doença da alma e precisamos do medicamento divino para encontrarmos a paz resultante da saúde espiritual.

Se te deparas em meio aqueles mais enfermos do que vós, com perseguições e calunias, não permitas que se turbe o vosso coração, lembrai-vos das palavras do Mestre, no sermão do monte, quando proferiu as bem aventuranças do reino dos céus.

Perdoai incondicionalmente aqueles que vos perseguem, e ofertai a terapia do amor, e encontrarás no brilho de cada olhar Jesus a te agradecer e envolver com Seu doce amor.




MIGUEL  DELAVINI
(mensagem recebida por Paulo Joaquim Pinto Guedes )